Sergio's Printed Words

WebLog Experience – notes about Digital World

Archive for novembro 2011

Universitários e universitários

leave a comment »

Protesto_movimento_estudantil_20100121_1193261005

Gente jovem reunida nos anos 70 só acontecia nos recônditos da resistência ou para encarar a PM. E nessas horas sabíamos que a segunda opção podia ser mortal, ou melhor, a maioria não sabia, seguia – entusiasticamente – os mais corajosos e safos. Pois, no confronto direto os “milico” levavam sempre vantagem. A estudantaiada encarava o “choque” não porque achava que iria ganhar… A situação era simples: não havia opção! Estávamos em uma ditadura perpetrada por um golpe e sem garantias de cidadania alguma! Era assim ou não era.
Os jovens de hoje precisam saber que Paulo Maluf NÃO é símbolo da ditadura (ele é apenas um aproveitadorzinho que encontrou respaldo em um bando de ladrões e idiotas). Os jovens precisam ser lembrados o que determinava o AI-5.
Éramos afoitos? Claro que sim! Assim como todos jovens fomos à luta sem lenço nem documento, mas não éramos estúpidos. Para chamar a atençäo pichávamos os muros com ABAIXO A DITADURA! Para promulgar ideais democráticos a gente se reunia na surdina, cantávamos em butecos, nos mobilizávamos em campus e, sim, ocupávamos espaços estratégicos que permitissem uma fuga rápida por inúmeras rotas (Ibiúna? Nunca mais! Né, Zé Dirceu?!). Invasão e depredação de bem público era exatamente o oposto que a lógica do movimento de resistência ao estado militar opressor desejava (até a LIBELU sabia disso!). A doutrina era “não dê motivo!”. Ações rápidas, impactantes e bem visíveis (hoje chamam isso de flashmob). Se um grupo “desse bobera”, o pau cantava e o de arara era usado nos por??es.
Nos meados dos 1970 a união estudantil massiva e bem documentada pelos meios de comunicação permitiram os discursos ideológicos sobre ditadura, liberdade democrática e direitos civis… O resto é história.
Hoje vivemos pleno Estado de Direito, temos uma Constituição – se não perfeita, bastante eficaz – há eleições diretas para todos os níveis do executivo e legislativo (O judiciário? Bem, isso é outra estória e outra pedra em meu sapato democrático), podemos nos organizar livremente em grupos e associações, podemos promulgar quaisquer ideias na “interwebs”, ou seja, podemos expressar novas posturas, exigir modificações, arregimentar seguidores… Repito: Temos uma Lei que nos dá direitos e que estabelece deveres. Assim, pergunto:
Catzo! O que passou pela cabeça dos estudantes que invadiram na marra e depredaram o edifício da reitoria da USP? Com o apoio de alguns funcionários da universidade, alguns estudantes tentaram criar um fato de fulcro administrativo (colocar o reitor em uma saia-justa através da invasão e ocupação) e de motivação ideológica (contra uma possível privatização da Universidade orquestrada pelo governador Geraldo e conduzida pelo reitor Rodas). Ou seja, um equívoco anárquico com palavras de ordem anacrônicas, e que acabou como começou, um mero caso de infração legal e de polícia, com setenta e poucos jovens que agora responderão como bandidinhos comuns por invasão, depredação de bem público e desrespeito a decisão judicial… Nota: o cerne da questões “educação de nível superior” e “funcionalismo público” encontra-se anos-luz da gritaria universitária. Como diria um grande pensador que sabiamente vive em Pittsburg: “Isso tudo é barulho de lata!”

33632

Sérgio Vieira

Anúncios

Written by sergiovds

novembro 8, 2011 at 23:31