Sergio's Printed Words

WebLog Experience – notes about Digital World

Archive for setembro 2010

Testin Ping dot fm

leave a comment »

Nada como algo bom pra ouvir http://ping.fm/EbHOS

Written by sergiovds

setembro 21, 2010 at 03:00

Publicado em Uncategorized

Águas passadas, desde que digitais, podem mover moinhos…

leave a comment »

No longínquo ano de 2007 eu já tecia comentários em meu Podcast (Impressões Digitais) que contornavam e já suportavam o texto anterior aqui postado Declaração de Voto .

Como o objetivo do Impressões sempre foi o da provocação através da exposição clara de minhas ideias e ideais,

“CREIO PIAMENTE QUE A OBSERVAÇÃO DA REALIDADE É O RESULTADO DO COLAPSO DA FUNÇÃO DE ONDA DE ERWIN SCHRÖDINGER, OU SEJA, DO COLAPSO QUÂNTICO. O QUE TRADUZIDO PARA TERMOS ATUAIS/JUVENIS, PODE SIGNIFICAR ALGO COMO: IHHHH, ÓIA AÍ Ó… POR CONTA DISSO AOS QUARENTA E TANTOS DECIDI PRODUZIR UM AUDIO PODCAST SOBRE COMPORTAMENTO, ARTES, CULTURA E TECNOLOGIA. QUEM SABE A GAROTADA PÁRA DE FALAR: IHHHH, ÓIA AÍ Ó…”

tenho certeza que a audição deste antigo episódio do impressões irá ajudar, se não a um novo modo de ver a conjuntura política, com certeza a municiá-lo com mais argumentos para me crucificar.

Written by sergiovds

setembro 15, 2010 at 17:07

Publicado em comportamento, política

Insônia

leave a comment »

Insônia (25 de março de 1980)


Dane-se, como tudo, esse sabor 
dessa mistura de suor e vontade
obscura.
Em minha boca, salgada, e
que balbucia rouca palavras ríspidas 
e diárias.
Dane-se esse espectro azulado
de saudade
que me acompanha pela cidade
nas ruas feito sombra de sol a pino,
que deslumbra todo um desatino
qualquer
de reflexo disforme.
Dane-se essa incontente sensação
de vitória, de história vencida,
de negação impotente.
É tanta derrota trivial
é tanta alheia palavra final,
de quem fala e não faz 
que me aconchego, derradeiro
sem achar direito na cama
meu travesseiro.

Written by sergiovds

setembro 14, 2010 at 04:20

Publicado em comportamento

Ins??nia

leave a comment »

Images

Ins??nia (25 de mar??o de 1980)


Dane-se, como tudo, esse sabor??
dessa mistura de suor e vontade
obscura.
Em minha boca, salgada, e
que balbucia rouca palavras r??spidas??
e di??rias.
Dane-se esse espectro azulado
de saudade
que me acompanha pela cidade
nas ruas feito sombra de sol a pino,
que deslumbra todo um desatino
qualquer
de reflexo disforme.
Dane-se essa incontente sensa????o
de vit??ria, de hist??ria vencida,
de nega????o impotente.
?? tanta derrota trivial
?? tanta alheia palavra final,
de quem fala e n??o faz??
que me aconchego, derradeiro
sem achar direito na cama
meu travesseiro.

Written by sergiovds

setembro 14, 2010 at 04:19

Publicado em Uncategorized

Declaração de Voto

leave a comment »

Muitos se estapeiam em épocas de eleições como se tais períodos definissem, por toda a eternidade, a vida de cada um.

Ledo e crasso engano…

Desde minha tenra adolescência em pátios escolares, passando por campiuniversitários, depreendi que a democracia (talvez por viver, à época,  em plena ditadura), além de utópica, é carrasca.

Vislumbremos o cenário: dois ou mais grupelhos convencem a maioria circundante (geralmente com grau de estupidez equivalente à avidez em palpitar sobre qualquer coisa, preferencialmente, sobre aquelas que não lhe atinja de forma directa e não cause envolvimento em nada que lhe exija atenção – vide reunião de condomínio) que basta submeter alguns representantes destes grupelhos ao escrutínio das urnas para tudo se revestir de legalidade, de uma pura, transparente eficaz e direta representatividade perfeitamente convalidada e abençoada, amém.

Pronto! Assim define-se o atual paradigma brasileiro do “PUDÊ!”, ou como chamo a Democracia de Minoria. Se os grupelhos forem suficientemente espertos (vejam os estadunidenses e ingleses) montam um joguinho de faz-de-conta e alternância ad eternum… e la nave vá.

Aqui na terra brazilis, talvez pela sua infante democracia e consequente política um tanto quanto rastaquera, as associações pré-poder ainda se maquiam de tintas ideológicas emboloradas ou se encontram devidamente coaptadas pelo canto de sereias braslienses sobre as benesses de um falso centrismo, este mais definido pelo equilíbrio das forças em disputas internas do que pela ideologia. Falta-nos a maturidade da cidadania responsável pela coisa pública. Ainda somos – em nossa maioria –  dependentes de ioiô e de iaiá. Porém, aí, nesta seara – para não dizer maranhesca – política, tudo e todos não passam de atores de uma mesma farsa.

Mas voltemos ao motivo deste meu desabafo um tanto desesperançoso (mesmo tendo lutado pela democracia e pelo direito a voto a todos) e pelo fato de eu não mais me afligir sobre o ganha-e-perde destas eleições.

Não creio que fulano ou sicrana, ou o grupo X ou a associação Y, irá solucionar ou modificar, num passe de mágica, o status quo sócio-político… Personalização e paternalismo não fazem parte de meu dicionário político. Hoje, só consigo analisar e participar como cidadão da vida da Nação através de ações de macropolítica. Qualquer bandeira “partidária” que eu carregue será falsa e contrária meu conceito de democracia plena.

O poder deve ser alternado entre os grupos interessados, assim como devem ser testados novos compromissos com tal poder… mas sem colocar em risco os equilíbrio alcançados, ou melhor dizendo, o poder deve chegar a determinado grupo no tempo histórico e de compressão social adequados. Ditaduras de esquerda e de direita provaram – na história mais que recente – as suas incompetências em teinosamente esquivar-se desta verdade. Mesmo a toda-poderosa democracia  dos EUA, em seu víés neo-liberal, bambeia miseravelmente devido às idiotices de perpetuação republicanas, não é?!

Assim, cheguei a conclusão que o PSDB há 8 anos afastado do poder conseguiu o impossível, ficou no ostracismo e não conseguiu posicionar-se como oposição política nem como alternativa sócio-econômica. Além de outros rincões deste brasil-véio-de-guerra, o mesmo PSDB há 16 anos domina o maior estado e a maior capital do país (ou seja, o 2º e o 3º orçamentos do país – estes só perdem para o orçamento da União) e mesmo assim, não conseguiu viabilizar uma unitária e virtuousa ação política sequer, nem ao menos amealhar um par de aliados ideologicamente afinados a um discurso equilibrado e inovador. Passou em branco e casou como o diabo, desaguando na demonstração atual de total incapacidade de vencer uma eleição de sindicato!

Se tal coleção de próceres políticos não conseguiu o mais elementar do exigido no campo político, como então irá implementar uma administração de poder renovada, dinâmica e criativa? Lamento, mas vou manter o bode na sala para que alguém o tire de lá definitivamente ao invés de esbravejar que fede e há esterco.

Creio que a eleição da Dilma será a pá de cal definitiva no que resta tanto do petismo como do tucanato fisiológicos, ineficientes e incapazes que andam por aí. O país precisa mais do que nunca de opções sérias de Políticas de Nação e não “políticas de governo” (ou seja, “pude”). Não dá mais para ficar nessa falácia de politicalha misturada com empresário amigo e parceiro de subchefe-de-assessor-de-qualquer coisa em gabinetes de apadrinhados e de cotas de acordos partidários. As saídas até agora oferecidas são mais-do-mesmo… e isso não basta para os desafios que se avizinham. Ou surge uma nova forma de cidadão e de administrar o executivo, o legislativo e o judiciário ou estamos fadados a virar uma imensa favela nacional, velha, suja, ilegal, viciada e corrupta.

Precisamos que os jovens (minha geração você pode esquecer, ela está mais interessada em discutir a ética e honestidade do síndico) encarem a árdua tarefa de alterar, difundir e aplicar – urgentemente – os conceitos de res publica e de cidadania. Só assim novos partidos políticos podem surgir e provocar – democraticamente – um realinhamento social e morl suficientemente forte para as reformas de representatividade, idoneidade e gestão política.

Em resumo, nestas eleições vou ajudar a chutar esta porta podre de forma macropolítica – Vou votar na Dilma.

Nota final –  No  post não consegui encaixar a ideia a seguir, assim coloquei-a como uma simples nota de rodapé: Na defesa democrática da liberdade uns exigem que o voto seja realmente um direito, ou seja, facultativo (aviso: sou totalmente a favor desta ideia) mas, que esta faculdade em uma sociedade desconectada da cidadania valida de vez a “democracia de minoria” isso é inquestionável.

Written by sergiovds

setembro 12, 2010 at 06:02