Sergio's Printed Words

WebLog Experience – notes about Digital World

Só o tempo dirá…

with 2 comments

Outro dia em uma daquelas “trocas rápidas e abreviadas” de impressões comuns com o Mário Amaya no Twitter, onde, a respeito da obra de Pat Metheny, caímos num impasse (o qual para mim, logo após, demonstrou-se uma armadilha): Porque cargas d’água eu considerava, ao contrário do Mário, o álbum Secret Story (do início dos anos 90) algo não “tão bom”, ou melhor, que não me emocionava como esperado pelo ardoroso admirador Mário? Que não resistindo me questionou, enfaticamente, mais ou menos deste jeito:

– Como assim?! O álbum é apenas uma tapeçaria sonora?
Nossas palavras – na cela dos 140 caracteres – ficaram mais ou menos espremidas, inconclusas, imobilizadas na restrição do formato microblogging. Destarte aqui vai o meu porquê em considerar Secret Story em algo “assim-assim”, em algo que não me emociona tanto, ao contrário de uma outra obra de Pat Metheny, esta do fim dos anos 70, American Garage.
Simples! A resposta é… TEMPO!
Ouvi American Garage logo após seu lançamento em 1979 no auge dos meus 22 anos. A emoção ‘tava toda lá! O que me arrebatou foi o LP como um todo e seu “encaixe” naquele exato momento, até hoje reverberando aqui, dentro de mim.
O restante dos trabalhos – cada vez mais elaborados, íntegros e maduros – de Pat Metheny têm me acompanhado, me agradando, me completando um pouco mais, porém sem o arrebate, o chacoalhão, a porrada do espanto, da descoberta… e do reconhecimento do prazer estético que me envolveu em 79.
O tempo complementa, esclarece e acomoda tudo, menos o impacto da compreensão.

Nota: Agora, quem adivinhar o que estou ouvindo enquanto digito este post ganha um doce. 🙂


Anúncios

Written by sergiovds

março 16, 2009 às 21:23

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Pode me mandar um pirocóptero…

    amelie_poulain

    março 16, 2009 at 21:37

  2. É esse sabor que me faz achar o Never say die, o melhor álbum do Sabbath. Minha descoberta aconteceu tardiamente ao lançamento do mesmo por questões biológicas, mas foi o primeiro disco de rock e, certamente, a primeira musica que me fez entender o PORQUE as pessoas ouvem musica. A faixa era Air Dance. Logo depois quis conhecer a obra da banda, mas o Never Say Die soa sempre aquele bolachão ruidoso e quente. Ô saudade… não, eu não tenho 30 anos. Vai entender.
    Ah, texto saboroso.

    danilo sanches

    março 17, 2009 at 03:37


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: