Sergio's Printed Words

WebLog Experience – notes about Digital World

Humanos

leave a comment »

Não somos problemáticos, prolixos, prosódicos
Não somos performáticos, políticos, ou paródicos
Somos sanguineos, seminais, um acaso
Apenas brevilineos, finais, um ocaso.

Written by sergiovds

janeiro 24, 2014 at 22:07

Publicado em poema, poesia, poetry

“Pedaço arrancado de mim”

leave a comment »

Seria ótimo se o minuto tivessse uns 180, não… 900 segundos
Seria ótimo se eu pudesse distorcer este espaço-tempo
Seria ótimo se eu driblasse a atenção do deus Kronos
Seria ótimo engabelar o destino e desviar seu intento.

Seria ótimo distender o fio da vida
Não a minha, nem a sua enfim.
Mas aquela vida que escolhi
Para fazer parte de mim.

Seria ótimo…

Written by sergiovds

janeiro 14, 2014 at 21:58

Publicado em poema, poesia, poetry

R3V0LUÇÃ0

leave a comment »

A revolução não vai
acontecer amanhã –
isso nunca vai acontecer.
Você pode não perceber.
Ela está acontecendo agora.
É um universo alternativo
que corre paralelo a este,
esperando por você para mudar de lado.

Written by sergiovds

junho 21, 2013 at 16:00

Publicado em my youthful texts

Tagged with ,

O preço da liberdade

leave a comment »

Se o preço da liberdade
é o meu corpo,
meu espírito pode voar bem alto.

Se o preço da liberdade
é a minha identidade,
você pode ver-se em mim.

Se o custo da liberdade
é o meu tempo,
então para sempre é meu presente.

Written by sergiovds

junho 14, 2013 at 19:23

Publicado em my youthful texts

Tagged with , ,

Impressões Digitais (outras):

leave a comment »

Depressões Abissais…
Intenções Orbitais,
Decisões Sociais,
Abluções Matinais.
Compressões Outonais,
Confissões Bestiais,
Criações Culturais;
Refeições Animais,
Adições Minerais,
Rejeições Vegetais;
Relações Veniais…
Dimensões Adicionais.
Vibrações Atonais:
Aflições Naturais.

Written by sergiovds

junho 7, 2013 at 20:22

Publicado em Uncategorized

Tagged with , ,

Ver-te

leave a comment »

Da ameia, um alerta
A cor dilacerada de tua íris
Esverdeia uma vida. Crua teia
E numa veia aberta
A dor esmaecida em gris
Sombreia em dúvida a lua meia.

É preciso queimar as pontes
E romper com o amanhā.
Responder o quanto antes
Abandonar os portos
E tal qual uma febre terçã
Nascermos após 3 dias, tortos.

Written by sergiovds

maio 31, 2013 at 00:24

Publicado em my youthful texts

Tagged with ,

Status

leave a comment »

Nauseabundo eu me encontro
Revirado e separado, desando
Sorumbático em plenilúnio, afronto
E meditabundo, meu banzo embalo.

Written by sergiovds

maio 13, 2013 at 17:50

Publicado em Uncategorized

Tagged with , ,